Uma maré de plástico pode invadir os Estados Unidos em breve, segundo alguns estudos. Desde o início de 2018, a China diminuiu a importação de lixo de outros países, sobretudo os desenvolvidos. A partir deste cenário várias nações estão se adaptando para processar grandes quantidades de dejetos. Nos EUA, por exemplo, estados como Massachusetts e Oregon estão restringindo o despejo de material reciclável em aterros sanitários.

A ‘crise do plástico’ é algo que nós tínhamos abordado em algumas oportunidades, mostrando as grandes ilhas que estão se formando pelo oceano e alertando que pesquisadores já encontraram microplásticos dentro de fezes humanas. Agora, há um preocupação que uma grande maré formada pelo material atinja o território americano. Quem sabe assim as nações desenvolvidas encarem o problema de forma mais proativa?

O fato é que, desde 1992, vários países exportaram resíduos para a China, colocando esta forma como sua principal plataforma para lidar com a sujeira. Foram enviados ao país asiático cerca de 106 milhões de toneladas de material ou 45% do total produzido pelo mundo. A ideia era transformar isso tudo em algo valioso por meio da reciclagem. Com o fim da iniciativa, agora todas os governos estão revendo suas políticas de reciclagem. Mas há um problema: não vão conseguir lidar tanto material produzido em pouco tempo.

Estudos indicam que foram produzidos até hoje entre 8 e 9 milhões de toneladas de plástico, o que equivaleria a 4 montanhas do tamanho do Monte Everest. Estima-se que, mesmo com a reciclagem, ainda existam 2 milhões de toneladas do material nos aterros sanitários e locais como os oceanos, formando ilhas de lixo que são levadas pelas correntes marinhas para diversas partes do mundo.

É provável que haja um colapso em nosso mercado de reciclagem. O preço do plástico reciclado vai cair ainda mais. Vai sobrecarregar a infraestrutura de manejo de resíduos. Acho que do ponto de vista ambiental temos que nos preocupar com em vazamentos dos aterros de lixo plástico para os oceanos “, ressalta George Leonard do grupo de defesa Ocean Conservancy.

(Esse vídeo faz parte da matéria “A giant wave of plastic garbage could flood the US, a study says” do site sfgate.com)