O que eu mais escuto quando estou falando do problema da extinção dos tubarões por causa da prática do finning é: “Ah, mas isso é coisa lá da Ásia, onde eles tomam a tal da sopa de barbatana de tubarão”….. Pois é, vamos esclarecer as coisas uma por uma e ver se realmente “é coisa só lá da Ásia”!

Em primeiro lugar, finning (ou barbatanagem em tradução livre) é a pesca do tubarão ou cação, o corte de suas nadadeiras, comumente chamadas de barbatanas, e descarte do “resto do corpo” do animal. Isto quer dizer na prática que os pescadores ficam com as barbatanas e jogam o animal, muitas vezes ainda vivo, de volta ao mar, para morrer de hemorragia.

E em segundo lugar, que se a Ásia tem em Hong Kong o maior mercado distribuidor de barbatanas de tubarão, temos que entender que eles são MERCADO, ou seja, centro de compra, venda e distribuição. Hong Kong não é produtora! Eles importam via navio e avião dos ditos produtores: os países que praticam o finning, secam as barbatanas e vendem ilegalmente para Hong Kong. Exportam para falar a verdade. Traficam internacionamente, numa verdade mais nua e crua.

Sim tráfico porque na maioria absoluta dos países do mundo a prática do finning é crime ecológico, internacional ou de categoria similar.

Agora então, em terceiro lugar, vamos olhar para esta carga de barbatanas de tubarão que foi apreendida em Miami, fruto deste tráfico ilegal. O valor desta carga apreendida pode chegar a até um milhão de dólares. Pois é um milhão. Com valores desta ordem, não há tubarões que resistam. E se lerem um pouco mais, vão ver na matéria que a origem das barbatanas é América do Sul. Nosso continente.

Então, quando pensarem na extinção dos tubarões por causa de uma maldita sopa, não xinguem os orientais de assassinos, pois se eles são os consumidores desta droga, para não falar merda, nós sulamericanos somos os traficantes.

Leia o artigo original, em inglês clicando no botão a seguir:


Acesse o artigo oficial

E não se esqueçam: cação é tubarão! Independentemente do tamanho, da espécie!

Pinguim Paulo Guilherme Alves Cavalcanti
Co-founder Divers for Sharks
CEO Onda Azul Marine Study Center