Emissão de CO², GEE e os impactos nos oceanos

Emissão de CO², GEE e os impactos nos oceanos

Aquecimento global

Creio que todos já tenham uma boa ideia do que é emissão de CO², gerada à partir da queima de matéria orgânica e principalmente combustíveis fósseis, originários do petróleo, como os diversos tipos de gasolina e óleo diesel. Este gás, CO², responde por aproximadamente 78% dos chamados gases do efeito estufa – GEE. Outro gás de efeito estufa é o Metano, CH4, gerado à partir da decomposição de matéria orgânica e da digestão dos animais, os chamados gases intestinais, ou simplesmente o pum ou peido. Restos de comida apodrecendo em lixões também geram metano. Estes dois são os principais, mas há outros, como o gráfico abaixo mostra.

Poucos sabem porém que o efeito estufa até certo ponto foi natural no nosso planeta, e até desejável. Ele não foi criado pelo homem, está sim é sendo aumentado aceleradamente a taxas altamente destrutivas. Quando nosso planeta ainda vivia a era do gelo, a formação desta camada de gases criou uma estufa, responsável pela proteção especial contra os raios solares nocivos, e por reter o calor dos raios que refletem na superfície da Terra, evitando que este calor escapasse de volta para o espaço. No começo do mundo, este efeito foi responsável pelo derretimento da dita era do gelo e assim permitiu que a Terra tenha a água em forma líquida na quantidade e na temperatura que precisamos para viver.

Tudo começou com a era industrial

Mas desde meados do século XVIII, com a revolução industrial, nós começamos a desequilibrar estas emissões, aumentando cada vez mais até que cientistas preocupados com o aumento da temperatura no planeta, provaram que o aquecimento global tem total e direta relação com os gases de efeito estufa, provocados pelo modo de vida humano cada vez mais industrializado.
Se compramos um celular que tenha plástico este veio do petróleo. Se tem ferro, veio de fornos a temperatura altíssimas queimando combustível para forjar o metal. Quando andamos de carro a gasolina ou diesel, estamos emitindo GEE em grande quantidade. Ao ligar uma usina termoelétrica que queime carvão para gerar energia ou calor para uma cidade, estamos emitindo GEE. Criamos no nosso planeta uma quantidade de gado bovino maior que a quantidade de pessoas no mundo (temos mais cabeças de gado do que cabeças de gente). Este rebanho, de bilhões de animais, emite gases intestinais em tamanha quantidade que também impacta no efeito estufa. É tanto boi e vaca soltando metano em forma de pum que prejudica o planeta, aquecendo-o cada vez mais.

A química ajuda a entender

Podemos falar de várias consequências do aumento dos GEE, tais como chuva ácida e degelo polar, mas agora iremos falar do efeito diretamente nos oceanos e que poucos tem conhecimento. Vamos falar da acidez dos oceanos. Isso mesmo que você leu: as águas dos oceanos ficando cada vez mais ácidas. E só para lembrar e explicitar mais o problema, ácido de forma corrosiva mesmo, capaz de dissolver e substâncias e destruir estruturas.

Fonte: Hypotheses https://globalherit.hypotheses.org/4385
Fonte: Hypotheses https://globalherit.hypotheses.org/4385
As águas dos oceanos se tornam ácidas por causa de reações químicas entre o CO² que liberamos na atmosfera e a água do mar, gerando H2CO3 – ácido carbônico, que irá depois separar-se em moléculas positivas, Íons, de Hidrogênio e de Carbonato. E estes Íons de Hidrogênio é que irão tornar as águas dos oceanos cada vez mais ácidas. Acidez HOJE já suficiente para corroer ou dissolver estruturas formadas por calcário, como as conchas e exoesqueletos de animais como mariscos, algas, plânctons e moluscos, atacando com ácido suas conchas, podendo matar e até levar à extinção local ou mesmo global de animais importantíssimos para a teia alimentar do planeta, prejudicando a formação da cadeia trófica nos mares assim como a biodiversidade também. E se prejudica a alimentação nos mares, muito em breve prejudicará em todo o planeta.

Se a acidez corroer a base, tudo mais cairá

Só para deixar claro, onde se destrói parte da base da cadeia alimentar, podemos perder os predadores primários e com efeito cascata até predadores topo de cadeia como tubarões e cetáceos misticetos, baleias que se alimentam filtrando a água, e raias como as mantas e tubarão baleia, também filtradores de plâncton.

Catástrofe de cima abaixo na teia da vida marinha.

No entanto temos que deixar claro que lutar para reduzir os impactos climáticos do aquecimento global puro e simples, melhorará em nada o problema da acidificação dos oceanos. Acidificação dos oceanos não é causada pelo aquecimento global, ela é um problema diferente causado pela emissão humana de GEE. Diferente problema originário da mesma causa.

E agora, o que fazemos?

Se você está mais consciente agora sobre o que é o efeito estufa e seus problemas, e quer ajudar o meio ambiente, uma boa forma é calcular o quanto você emite de GEE. Sim isto é possível através da tecnologia, com as calculadoras de emissão de CO2. Aqui tem um ótimo artigo sobre o tema e com uma calculadora na página do S.O.S Mata Atlântica.
Outra forma de contribuir fortemente é já ir pensando em trocar o seu carro movido a combustível fóssil por um elétrico! Até embarcações elétricas já estão ficando cada vez mais comuns, leia aqui sobre um modelo na Vogue.
Em breve irei publicar um artigo sobre a compensação da pegada de carbono, emissões de carbono, por uma expedição de mergulho saindo de Caravelas (BA) com destino ao Arquipélago de Abrolhos.