Instinto de caçador, boca cheia de dentes afiados e fama de assassino. Por causa do imaginário criado pelo cinema hollywoodiano, provavelmente esta é a imagem que você deve ter do tubarão. Diferente da ficção, a preservação do animal para manter a vida marinha é uma das bandeiras mais importantes do Divers for Sharks. E nós vamos te explicar porque lutamos por isso neste texto.

Assim como os leões, os tigres ou os crocodilos, o tubarão é um animal selvagem e não um monstro. Para que você entenda, imagine o oceano como uma comunidade, onde o tubarão está no topo da cadeia alimentar do ecossistema marinho, sendo uma espécie de regulador. Cabe a ele controle do número das espécies que são suas presas e, por consequência, das presas das suas presas também.

Entenda o que é uma cadeia alimentar:

Sem a ação dos tubarões (e raias também), os mesopredadores – animais que estão no meio da cadeia alimentar – vão se reproduzir mais, desequilibrando o ambiente. Sendo assim, as principais presas deles (os herbívoros) terão uma diminuição em sua população e, com isso, os oceanos sofrerão com o aumento no número de algas, o que não permitiria o desenvolvimento dos recifes de corais. Num cenário bem pessimista, esse desequilíbrio pode causar a extinção da vida marinha e a desertificação dos oceanos.

O medo construído por Hollywood faz a sociedade se omita na luta pela preservação da espécie. Afinal, estamos eliminando uma “ameaça”. Esse fator somado com pesca predatória faz com que tenhamos cerca de 100 milhões de tubarões capturados e mortos a cada ano em todos os mares para obtenção exclusiva das nadadeiras que irão prover o lucrativo mercado oriental de sopa de barbatana ou para consumo no Brasil, sob o nome de cação.

Sim, cação é o nome genérico dado pela indústria para a carne de tubarão!

Voltando ao predador dos oceanos, diferente do mito criado pelo cinema, nós não somos a primeira opção de alimentação dos tubarões. Muito pelo contrário, quando há incidentes com humanos, isso acontece porque há um desequilíbrio naquela região e faltam as presas. Os tubarões normalmente caçam os animais mais lentos e os mais fracos, seguido por peixes doentes, feridos ou mortos.

Saiba mais assistindo ao documentário ‘Peixe Morto’ da Universidade Federal do Paraná.