A Divers For Sharks esteve na Convenção para a Conservação das Espécies Migratórias, na Índia, para acompanhar as decisões sobre proteção de espécies migratórias. Para você saber um pouco do que aconteceu, vamos fazer uma série de publicações, contando os bastidores de evento. Neste primeiro texto trazemos um relato de José Truda Palazzo, que esteve junto com Guilherme Pinguim nesta empreitada. Leia as impressões do co-fundador da D4S e Coordenador de Desenvolvimento Institucional do Instituto Baleia Jubarte.

A 13ª. Reunião dos Países-Membros da Convenção para a Conservação das Espécies Migratórias – CMS, realizada em Gandhinagar, Índia, entre 17 e 22 de fevereiro, foi um enorme sucesso para a conservação. A CoP (Conferência das Partes, como a reunião de países-membros de qualquer tratado internacional é chamada) reuniu mais de 2500 pessoas de 93 países, incluindo delegados de governo, imprensa e representantes de 197 ONGs. Pela primeira, duas instituições não-governamentais sediadas no Brasil estiveram presentes, a Divers for Sharks (que já havia participado da 12ª. CoP, em Manila, 2016) e o Instituto Baleia Jubarte.

A CMS é possivelmente o tratado internacional mais amigável à conservação da fauna; enquanto outros acordos lidam com comércio e uso extrativo da biodiversidade, a CMS se concentra em ampliar a proteção das espécies migratórias e seus habitats, pelo que é muito importante que o seu trabalho seja mais conhecido e receba mais apoio no plano global.

Para as espécies marinhas migratórias a 13ª. CoP foi um grande sucesso. Três novas espécies de tubarões foram agregadas aos Apêndices (as listas de proteção) da Convenção: galha-branca oceânico, tubarão-martelo-liso e bico-de-cristal. E a Divers for Sharks tornou-se oficialmente Instituição Parceira da CMS através de seu Memorando de Entendimento para a Conservação dos Tubarões (MoU Sharks), que é o instrumento específico da CMS que trata da proteção aos tubarões e raias. No que diz respeito às baleias, o Instituto Baleia Jubarte organizou um side-event sobre ampliação da cooperação para a conservação de baleias no Atlântico Sul tendo como base as baleias-jubarte, que estão presentes em todos os países lindeiros dessa bacia oceânica. A proposta foi muito bem recebida pela Secretaria da CMS e por várias das delegações presentes e deverá ser elaborada pelo Instituto para que essa cooperação possa se efetivar com apoio da Convenção.

Nesses tempos quase que só de más notícias para o meio ambiente no Brasil, é importante destacar que o governo brasileiro apoiou firmemente as propostas de proteção para os tubarões e também a iniciativa de cooperação para melhor proteção das baleias no plano regional. O Brasil esteve oficialmente representado pelo Secretário Igor Andrade Vidal Barbosa, da Divisão do Meio Ambiente do Ministério das Relações Exteriores, que teve participação crucial no debate de vários dos temas tratados na CoP e interagiu de maneira muito positiva com a representação das ONGs brasileiras e internacionais, deixando uma ótima impressão sobre o trabalho do Itamaraty na área ambiental.

Dentre as atividades que a Divers for Sharks pretende desenvolver como parte da cooperação com a CMS estão a produção de conteúdos em Português, para divulgar a existência e as atividades da Convenção e do MoU Sharks no Brasil; o engajamento com as autoridades públicas para cobrar a efetivação da proteção das espécies cobertas pela Convenção; e a produção de materiais sobre a importância do mergulho com tubarões para a conservação e a geração de emprego e renda sustentáveis, para discussão do tema pela próxima reunião da CMS.

A nossa ida à CMS contou com a sua ajuda. Contribua para que a Divers For Sharks continue lutando pela preservação de tubarões e raias.