A mamata ia acabar! Nova era! Pelo menos essas eram as promessas do Governo Bolsonaro feitas há pelos menos oito meses. Na área de Meio Ambiente nada mudou muito desde então e, agora, descobriu-se que a empresa do pai do secretário da Pesca, Jorge Seif Júnior, tem várias multas ambientais por infrações das leis de pesca. Para piorar a situação, partiu do atual ocupante da pasta a curiosa sugestão de acabar com a lista dos animais aquáticos ameaçados de extinção. As informações são de uma reportagem do jornal O Estado de São Paulo e da Folha.

Os repórteres da publicação descobriram que a madrasta do secretário, Sara Kischener Seif, recebeu duas multas e uma notificação. Uma delas, no valor de R$ 40 mil, foi aplicada por fiscais do IBAMA que encontraram 250 quilos de iscas vivas de peixes (sardinhas), espécie que está em época de defeso – período em que a pesca é proibida por causa da reprodução. A outra, de R$ 30 mil, foi por problemas técnicos nos aparelhos para rastreamento constantes da embarcação ‘Dona Ilva’. Por incrível que pareça, o fato aconteceu na mesma área onde o presidente Jair Bolsonaro já foi pego uma vez por pesca ilegal.

O pai do secretário, que é dono da empresa JM Seif Transportes, responsável pela embarcação, disse em nota ao Estadão que vai demitir a equipe que estava no barco. Leia, abaixo:

“É expressamente proibido fazer qualquer coisa errada, principalmente depois que meu filho foi eleito secretário da pesca. Acontece que eu estou em casa dormindo, e eles estão no mar. E a autoridade máxima lá são eles. Como é que eu vou autorizar, eu sendo pai do secretário, alguém a fazer uma coisa errada? Jamais isso vai acontecer. Não posso, estou proibido disso, ainda mais com meu filho sendo autoridade máxima do setor.Para facilitar a vida deles, cometem deslizes. O que eu vou fazer, quando chegarem em terra, é mandar as demissões de toda a tripulação. Todos serão demitidos”

Mas a história não para por aí. A JM Seif Transportes foi autuada em 2014 em R$ 300 mil por pesca ilegal de cherne-poveiro, desde 2004 na lista de espécies ameaçadas de extinção – a população da espécie diminuiu 90%. Segundo a Folha de São Paulo, a multa até hoje não foi paga e o jornal descobriu que há um punição mais recente por pesca de 24 mil kg de tainha em área proibida.

Outra empresa do Seif, a JS Captura e Comercio de Pescados Ltda, localizada em Itajaí, é acusada de pescar em período de defeso, capturar espécies abaixo do tamanho mínimo e pescar e descaracterizar espécie de tubarão. Mas se prepare, pois ainda tem a ‘cereja do bolo’ amargo que virou a questão ambiental no Brasil. Não que a situação antes fosse maravilhosa. No entanto, a mudança, a seriedade, as indicações técnicas e a lisura prometida por este governo nem de longe aconteceram até agora. E o que é pior: os responsáveis têm ações e parecem ‘jogar contra’ o Meio Ambiente.

Cereja do bolo: O Secretário era sócio dos negócios pesqueiros do pai

Antes de assumir o cargo de Secretário da Pesca, Jorge Seif Júnior, trabalhava junto com pai. Com o conflito de interesses detectado pela Comissão de Ética da Presidência, ele se afastou das empresas. No entanto, será que isso é o suficiente para que tenhamos isenção no cargo?

Já mostramos aqui, no Blog da Divers For Sharks, a importância da lista dos animais aquáticos ameaçados de extinção, que este ano teve a divulgação suspensa. Essa atitude, junto a sucessão de erros que a pasta do Meio Ambiente vem cometendo, pioram imagem do Brasil no exterior e aprofundam os danos os bens naturais do país. A Nova Era é, até agora, um poço sem fundo, um show de disparates, onde quem levanta a voz para apontar os erros é acusado de estar ‘torcendo contra o Brasil’. Triste!