A Divers For Sharks não tem dúvidas sobre a importância da Amazônia não só para o Brasil, mas como para o resto do mundo. No entanto, não podemos defini-la erradamente como o ‘Pulmão do Mundo’. É importante frisar que as algas marinhas são responsáveis pela maior parte das trocas gasosas que acontecem no planeta, jogando 55% do oxigênio na nossa atmosfera.

O mais interessante é ressaltar que biomas como o amazônico são aqueles que os cientistas chamam de ambientes em clímax ecológico. Na prática, isso quer dizer que a floresta consome quase todo o oxigênio que produz.Ou seja, sobra bem pouco de excedente para o resto do globo.

Mas não é por isso que não vamos defender a preservação. As queimadas na floresta aumentam as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera piorando muito o problema do aquecimento global. No final, esse fenômeno pode influencia no aquecimento dos oceanos e na morte das… algas! Como você pode ver, destruir esse bioma só traria prejuízos para o mundo, além de uma mudança significativa no regime de chuvas do Brasil e no resto do globo.

“Segundo os cientistas, ela lança na atmosfera uma quantidade inimaginável de partículas de origem biológica – de pedacinhos de plantas a fungos e moléculas orgânicas. Levadas pelo vento, essas partículas acabam virando núcleos de condensação de nuvens (em torno dos quais o vapor d’água se transforma em gotículas ou cristais de gelo). É por isso, entre outros fatores, que as chuvas são tão abundantes na Amazônia. Quanto mais o desmatamento avança, mais elas tendem a rarear – colocando em risco o delicado equilíbrio da floresta”, explica este artigo da Superinteressante.

Por fim, a produção de oxigênio está dividida em Bosques e florestas (24,9%), Estepes, campos e pastos (9,1%), Áreas cultivadas (8%), Algas de água doce (0,3%) e Algas marinhas (54,7%). Vamos lutar para preservar a Amazônia, mas sem propagar informação errada.