Cabeça-chata

NOME CIENTÍFICO:
Carcharhinus leucas (Müller & Henle, 1839)

NOMES POPULARES:
Cabeça-chata, tubarão touro, Zambezi

CARACTERÍSTICAS::
O Carcharhinus leucas é um tubarão de proporções físicas robustas, com um tamanho total máximo entre 350 – 400 cm e peso máximo registrado de 316,5 kg. Focinho curto, largo e arredondado, olhos pequenos e circulares. A primeira nadadeira dorsal é larga, alta e amplamente triangular com o ápice arredondado, com a margem posterior pouco falciforme. As nadadeiras peitorais são grandes, largas  e com ápices pontiagudos.

O corpo é predominantemente cinza escuro, perdendo a sua tonalidade na região ventral se aproximando da cor branca. Os juvenis têm as pontas pretas em suas nadadeiras, que desaparecem com a idade.

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA:
Tem uma distribuição mundial em águas tropicais e subtropicais. Encontrado em todo o litoral brasileiro.
VEJA O MAPA DE DISTRIBUIÇÃO

AMBIENTE:
O Cabeça-chata é um tubarão costeiro, habitam a plataforma continental em profundidades entre 1 -152m, mas sua maior freqüência é em águas rasas de até 30m de profundidade, encontrados também em baías, estuários e até em rios, podendo ser encontrados em rios de água doce a longas distâncias do mar, sendo a única espécie de tubarão que pode sobreviver por longos períodos em água doce.

ALIMENTAÇÃO:
Tem uma dieta muito versátil, que consiste principalmente de peixes ósseos, outros tubarões (podendo ocorrer o canibalismo), raias, pássaros, mamíferos marinhos e terrestres, tartarugas, moluscos, crustáceos e ocasionalmente lixo.

REPRODUÇÃO:
Os machos atingem a maturidade sexual entre 157-226 cm, as fêmeas entre 180-230 cm, o que corresponde a uma idade entre 10-15 anos.

Vivíparos, co m um tempo de gestação estimado entre 10-11 meses, de onde nascem até 13 filhotes medindo entre 56-81 cm. Estuários e bocas de rios são geralmente utilizados, como berçários pelas fêmeas para dar a luz a seus filhotes.
(*leia mais na página sobre reprodução)

AMEAÇAS:
A pesca é sua grande ameaça, pois é capturado na pesca em toda a sua gama, mas raramente como espécie-alvo. Sua ocorrência em áreas estuarinas e de água doce torna o C. leucas, mais vulnerável ​​a impactos humanos e modificação do habitat.

CATEGORIA NO LIVRO VERMELHO DA IUCN:
Quase ameaçada

REFERÊNCIAS:
Froese, R. and D. Pauly. Editors. 2011.FishBase.
www.fishbase.org – acesso em 14/02/2010
Compagno, L.J.V. FAO Species Catalogue. Vol. 4. Sharks of the world. An annotated and illustrated catalogue of shark species known to date. Part 2 – Carcharhiniformes. FAO Fish, 1984. p 478-481.


* fotos retiradas do site elasmodiver